sábado, 6 de janeiro de 2018

TOP 30 - Melhores Mangás de 2017.


As Estrelas de 2017.


Primeiramente, Feliz 2018 para todo mundo! O primeiro post do ano não poderia ser outro: O TOP 30 de melhores mangás de 2017. 

Chega o mês de dezembro e eu começo a receber várias mensagens perguntando quando esse TOP 30 vai ser lançado e se por algum motivo eu estiver cogitando não lançar esse TOP (como eu cogitei ano passado), vocês me fazem questão de mudar de ideia. A verdade é que no Analyse It não existe melhor modo de iniciar o ano que listando, pela última vez, quais foram as séries que marcaram o ano de 2017. Revelando, somente na terceira e última parte, a série realmente merece estar com a medalha de ouro e ser consagrada a melhor série do ano. Lembrando que algumas séries eu não li esse ano, entre elas: Detectiva Conan, Happiness e Yotsuba & I. Além de outros mangás que agora não me veem a memória, mas que de certo podiam estar entre esses ótimos mangás que constuiem o Ranking.

O Ranking será dividido em três partes, como no ano passado: Na primeira parte irei mostrar os mangás que quase entraram no TOP 30, por isso aqueles que ficaram entre a posição 40 e 32, para depois começar a mostrar os mangás entre a posição 31-21, explicando o motivo pelo qual cada a série entrou no TOP 30. Na segunda parte irei mostrar as séries que ficaram entre a posição 20 e 11. Para assim, na terceira e última parte revelar as séries que ficaram nas dez primeiras colocações, reservando vários paragráfos para explicar o motivo pelo qual o primeiro colocado merece ser considerado a melhor série do ano de 2017. A única mudança que teremos em comparação ao ano passado, é que após explicar o motivo pelo qual a série merece aquela colocação, também irei listar as posições que a série alcançou nos anos anteriores (em verde os anos que o mangá ficou no TOP 3 e em azul mangás que ficaram no TOP 10, em preto os anos que ficou fora do TOP 10).

Lembrando que o TOP 30 Melhores Mangás não leva em consideração somente a minha opinião sobre os mangás. Tem algumas séries que, por gosto pessoal, eu colocaria em colocações bem altas, mas como eu decidi analisar cada série de maneira mais precisa e utilizando critérios exatos, não pude melhorar a colocação dessas séries. Um dos critérios utilizados foram: quantidade de capítulos, avanço da narrativa, quantas reviravolta e revelações importantes, desenvolvimento do protagonista e dos personagens secundários, qualidade das cenas de ação, qualidade das piadas (para os mangás de comédia) e etc. Sem mais delongas, vamos ver quais séries quase entraram no TOP 30. 

40 – Hunter x Hunter
39 – Ore Monogatari
38 – Kimi ni Todoke
37 – Boku-tachi wa Benkyou ga Dekinai
36 – GTO Paradise
35 – Owari no Seraph
34 – Arslan Senki
33 – Saiki Kusuo no PSInan

32 - Shokugeki no Souma


Beirando o TOP 30 tivemos Shokugeki no Souma, que por muitos anos foi praticamente uma garantia de presença entre os quinze primeiros colocados. Ano passado a série não apareceu no meu Ranking, e mesmo algumas pessoas ficando decepcionante com isso, eu não me arrependo de tal decisão, portanto eu acredito que também não irei me arrepender da posição desse ano da série. Eu serei sincero, Shokugeki no Souma nos últimos dois anos para mim, não apresentou nada de especial. Diferente dos seus três primeiros anos de vida. O que é uma grande decepção. Para quem não conhece, Shokugeki no Souma é uma série no qual vários cozinheiros combates através "Shokugeki", que são batalhas culinárias ao estilo Masterchef (muitas vezes com temáticas escolhidas pela juria).

Então como foi o ano de 2017 de Shokugeki no Souma? Os autor continua mostrando que os jovens alunos são uma ameaça para o Clube dos 10, ao mesmo tempo que mostram que a Elite dos 10 é realmente composto pelos melhores estudantes do colégio. Esses Shokugekis deixaram bem mais interessantes a série, já que não sabiamos de nenhum modo qual dos dois concorrentes iriam acabar vencendo. Por exemplo no combate contra os membro da "central", tinha gente que apostava que somente Souma passava, outros que dois integrantes passavam e outros que seria três a zero para a central. O único problema de Shokugeki no Souma que não faz a série conquistar mais posições e que deixa sua leitura mais "monotoma", é que a série virou mais do mesmo. Não tem mais nenhuma novidade interessante na narrativa. A série se estagnou em uma qualidade boa, mas nada de especial após a revelação da Elite dos 10. Mas continua uma série boa que merece ser lida. 

2013: 09
2014: 04
2015: 04
2016: +40

31 - Berserk



Meu caro Berserk, sua posição no Ranking seria tão mais alta caso lançasse mais capítulos ao ano. Nós, leitores da série, temos que aceitar quatro ou cinco capítulos ao ano, todos com menos de 30 páginas. Deste modo, vemos a história avançar muito lentamente, mesmo ainda entregando um roteiro e narrativa de qualidade. Infelizmente sabemos que este é o ritmo do Miura (autor de Berserk) e essa realidade não irá mudar tão cedo. Por isso só nos resta torcer para o autor não morrer antes de terminar o mangá. Praticamente, para quem acompanha os livros de Game of Thrones. Miura é o George R.R Martin do Japão.

Sobre o ano de 2017, a série passa por um arco atípico, mas mesmo assim muito interessante. O traço do autor, que sempre foi muito obscuro, em alguns momentos está até mais leve e puro (provavelmente para representar todo o cenário lúdico que a série se encontra). Além disso, os verdadeiros protagonista de Berserk em 2017, não foi o Guts, e sim outras duas personagens: Schierke e Farnese (e de certo modo a Casca). O que traz uma dinâmica muito interessante a série e ao mesmo tempo atípica. Contudo, mesmo mudando a narração da série, os personagens centrais, de certo o traço do autor (que nos últimos dois capítulos, retornou a ser muito mais obscura), Berserk continua entregando uma história de altíssima qualidade. Como eu gostaria de colocar Berserk no TOP 30. 

2015: 27
2016: 33

30 - Black Clover


O primeiro mangá que compõe o TOP 30 desse ano é justamente o polêmico Black clover. A série inicialmente estava na posição 25 do Ranking, mas quando eu decidi revisar as posições da classificação, percebi que um dos mangás que eu precisava alterar a posição era Black Clover, pois eu tinha analisado somente os pontos positivos da série (suas melhorias), mas não tanto os defeitos que na série se mantinham. Black Clover em 2017 entregou um dos seus melhores anos, apresentou uma leve evolução no protagonista, chamado de Asta (que antes estava vencendo vários personagens mais fortes sem ter alguma evolução), e por apresentar uma evolução clara no protagonista (percebemos pelas novas transformações de Asta), no meu ponto de vista, as cenas de ação estão melhorando.

O que fez Black Clover perder algumas posições é realmente alguns defeitos que são mantidos, como por exemplo, Asta continuar vencendo o inimigo com a força de vontade, e não com uma estratégia real, o que deixa as lutas da série mais "pobres". Alguns clichês foram mantidos (e acreditem, nunca irão embora), mas isso realmente não me incomoda na maioria dos casos, somente em alguns casos. Ás vezes o autor não sabe o momento correto de colocar um Flashback emocional (ou explicativo), ou mesmo não encaixa muito bem os sermões de Asta, deixando a cena que deveria ser dinâmica, muito irritante. Mesmo assim, se analisarmos no que a série se propõe: um B-Shounen testosterona sem muita profundidade, Black Clover entrega um conteúdo de se aplaudir, e por isso, merece estar entre os melhores mangás do ano.

2016: 31


29 - Vinland Saga


O QUE É ISSO? MEU DEUS! São os fãs de Vinland Saga jogando pedra de fogo em mim! Brincadeiras a parte, ano passado algumas pessoas não gostaram da posição no qual eu coloquei Vinland Saga (décimo quinto) e provavelmente essas mesmas pessoas odiaram a posição da série nesse ano. Contudo, em minha humilde opinião, Vinland Saga não apresentou um ano convincente, mesmo que não tenha sido de ruim qualidade e também tenha dado alguns passos corretos para a progressão da guerra, que se iniciou realmente nos últimos meses de 2017.

Por isso, Vinland Saga perdeu algumas posições, não por ter perdido a qualidade, mas por não ter tido realmente muito conteúdo nesse ano. Eu tinha comentado que 2016 foi um ano focado mais no desenvolvimento do protagonista (Thorfinn) e em outros personagens secundários, além de preparar o cenário para a guerra. Eu esperava que esse ano tivemos um grande foco na guerra, mas o autor preferiu continuar preparando o terreno por mais capítulos, deixando a série um pouco arrastada. Os últimos capítulos do ano foram os melhores da série em 2017 e provavelmente em 2018 Vinland dará um grandíssimo pulo em posições.

2016: 15

28 - En En no Shouboutai


Do criador do clássico quase esquecido pelo tempo, Soul Eater - En En no Shouboutai é um B-Shounen lançado na Weekly Shonen Magazine, que conta a história de um grupo de bombeiros com super-poderes que devem controlar uma estranha epidemia de combustão instantânea. Com uma história diferente, uma arte também diferente, En En no Shouboutai logo conseguiu atrair vários leitores e se tornou um sucesso na sua revista (Shonen Magazine). Contudo, chegando no ano de 2017, a série, sinceramente, começou com capítulos fracos, lutas previsíveis e inimigos que não te despertavam ódio ou nem dava a sensação que seriam um grande desafio ao protagonista. 

Por sorte, a partir da segunda parte do ano (na verdade um pouco antes), os capítulos de En En no Shouboutai melhoraram bastante. Provavelmente pelo fato que todo o arco teve um foco gigantesco no desenvolvimento do personagem principal e sua família. Tivemos algumas explicações sobre o passado do protagonista (a revelação sobre a verdadeira identidade do demônio foi chocante e nos reservou um quadro belíssimo), lutas interessantes, como entre o protagonista e Shou. A verdade é que En En no Shouboutai começou o ano entregando lutas vazias e que pareciam mostrar que a série não tinha mais a "chama" de antes, mas a partir do capítulo 78 as coisas começaram a mudar e a série só melhorou, entregando uma trama e cenas de ação emocionantes. En En no Shouboutai está pegando fogo!

Primeira Vez

27 - Dr.Stone


Inagaki Riichiro (Eyeshield 21) e Boichi (Sun-Ken Rock e Origin) se uniram no início de 2017 para lançar uma nova série na WSJ, intitulada de Dr.Stone. O mangá imediatamente despertou a curiosidade dos japoneses e também de vários leitores ocidentais. Deste modo, antes mesmo do seu lançamento a série já tinha um grande número de seguidores e tinha tudo para se tornar um "hit". O resultado foi dos mais previsíveis: Dr.Stone acabou sendo um grandíssimo sucesso, inclusive, entre todas as novas séries que foram lançadas na WSJ em 2017, foi aquela que conseguiu fazer mais sucesso com o público ocidental. Porém, ser um sucesso não faz que eu coloque uma série no TOP 30 de melhores mangás de 2017, é necessário apresentar também um roteiro interessante. E sejamos sinceros, nisso Dr.Stone tem de sobra.

Dr.Stone conta a história de dois adolescentes que viviam suas vidas colegiais "normais" (não podemos considerar a vida de Senkuu, o segundo protagonista, tão normal assim), quando do nada, todas as criaturas vivas na terra (pássaros, seres humanos, ursos, gatos e ecc) se tornam pedra, incluindo os dois heróis da história. É como toda a sociedade tivesse se tornado uma estátua. Milhares de anos se passam, e nossos heróis conseguiram se liberar da petrificação. Contudo, logo perceberam que foram os únicos a conseguirem realizar tal feito, e todos os outros seres humanos ainda estão paralisados e cobertos de pedra. Agora, sozinho eles terão que encontrar um modo de reconstruir a humanidade e livrar os seus companheiros de espécie dessa "maldição". O ritmo da série é bem rápido, e mesmo os primeiros capítulos não convencendo, após o capítulo 20 a série simplesmente melhorou absurdamente de qualidade (e continua a melhorar). Deste modo Dr.Stone conseguiu garantir uma vaga no  TOP 30 de 2017.

Primeira Vez


26 - Ajin



Um outro mangá, que como Vinland Saga, perdeu algumas posições foi justamente Ajin, que saiu da vigésima terceira colocação para a vigésima sexta. A queda foi menor que a de Vinland Saga, mesmo o motivo dos dois mangás perderem tantas posições serem bem parecidos. Ajin vem sofrendo com um pequeno problema: o ritmo muito lento e pouca variedade na história (sejamos sinceros, a um bom tempo que não temos novos personagens importantes sendo apresentados, um arco surpreendente ou uma reviravolta que muda a narrativa da história). Além disso, o autor continua se mantendo em um arte muito geométrica (com várias quadrados e pouca variedade de formas).

Contudo esse ano não tivemos somente pontos negativos com Ajin, pois se tivesse só pontos negativos, com certeza a história não se encontraria entre os trinta primeiros colocados. O autor parece que estar preparando o terreno para um último arco da história (por isso a conclusão do mangá), deste modo, o protagonista está se tornando cada vez mais maduro (ao mesmo tempo que vamos entendendo que na verdade ele não é frio, somente racional) e o passado do vilão vai sendo explicado através de flashbacks interessantes e diálogos expositivos. É sempre bom ver uma história no qual o círculo está se fechando e Ajin parece estar conseguindo realizar isto de maneira bem satisfatoria.

2013: 18
2014: 16
2015: 24
2016: 23
2017: 26

25 - Kimetsu no Yaiba


Presente no Ranking do ano passado na trigésima segunda colocação, esse ano Kimetsu no Yaiba melhorou de algumas posições e conquistou a vigésima quinta colocação. Contudo, o salto de qualidade da série, na minha opinião, foi maior que o salto de posições nessa classificação. Kimetsu no Yaiba iniciou como uma série com um roteiro interessante, com uma arte muito diferente dos demais mangás, sem grandes cenas de ação, contudo, com um desenvolvimento de protagonista muito bem acurado e preciso. Com o passar dos capítulos, o autor foi aumentando o universo da série: Adicionou novos personagens, novos elementos a mitologia e se aprofundiu sobre a organização do mundo de Kimetsu no Yaiba.

O resultado foi muito positivo, a série deu um grandíssimo salto de qualidade, e ao invés de incluir somente um protagonista interessante, conseguiu entregar ao público uma gama gigantesca de personagens carismáticos. Além disso, outros dois elementos melhoraram bastante na série: o traço do autor que se tornou mais limpo e complexo, mas mantendo vários aspectos que faziam o seu traço único. E obviamente, melhorando sua arte, o autor conseguiu melhorar também as cenas de ação que se tornaram bem dinâmicas (como por exemplo a batalha no trem) e mais interessantes de se ler. Kimetsu no Yaiba teve um ótimo ano de 2017 e parece que continuará a melhorar, capítulo após capítulo, ano após ano.

2016: 32

24 - Ao no Exorcist



Olha quem aparece no Ranking de 2017 para alegria geral da nação: nosso querido Ao no Exorcist, mas por muito pouco não conseguiu entrar entre os trinta melhores desse ano (e prevejo que receberei algumas pedradas por isso). O ano de 2017 foi em grande parte muito bom para a série, além de ter ganho finalmente a sua segunda temporada, Ao no Exorcist apresentou capítulos bem interessante, com muita pouca ação, mas com muito drama e cenas chocantes. A autora praticamente terminou todos os capítulos com um grande cliffhanger, que te deixava ansiossíssimo para ler o próximo capítulo da série.  

O motivo pelo qual a série não conseguiu posições melhores, é que tivemos muitos capítulos no qual não aconteceu muita coisa na série, e para uma série que é mensal, esses defeitos acabam pesando muito no meu critério de avaliação Por exemplo, eu acho que em termo de narrativa Ao no Exorcist muito melhor que Black Clover, contudo quando o assunto é ritmo e quantidade de conteúdo presente em cada capítulo, Black Clover consegue no mesmo número de páginas, apresentar muito mais que Ao no Exorcist. Em compensação, Ao no Exorcist acaba entregando constamente capítulos de boa qualidade, com um bom "timing" na comédia e também com cenas bem artisticas e emocionantes (o capítulo 93 da série é uma grande prova). É muito comum terminamos os capítulos da série nos perguntando o que acontecerá nas páginas coloridas, nos fazendo criar teorias mirabolantes e duvidar de certas informações dadas - "Será mesmo que Yukio atirou?" -. Deste modo, mais pela qualidade que pela quantidade, Ao no Exorcist consegue a vigésima quarta colocação.

23 - Kaguya-Sama wa Kokurasetai


O TOP 30 não é feito somente de B-Shounen (aliás, pelo andar da carruagem, vamos ficar com poucos B-Shounens nas posições altas da classificação). Também temos nesse ranking mangás seinens, comédias, slice of life e muitos outros gêneros. A prova disso é Kaguya-Sama wa Kokurasetai na posição 25. Para quem não conhece a série, Kaguya-Sama wa Kokurasetai é uma comédia romantica que conta a história de dois gênios de uma das maiorias escolas do Japão. Os dois são apaixonados um pelo outro. O problema é que os dois são muito orgulhosos, se negam a confessar seu amor (pois, para eles, isso significaria se tornar submissos). Assim, utilizando estratégias estranhas, os dois começam a tentar fazer que o outro confesse o seu amor.

Por mais que a sinopse seja muito simples, a história passa longe de ser simples. O autor consegue unir comédia com várias questões românticas, como a dúvida se realmente a pessoa que tu "ama" realmente te ama, a diferença entre "amar" e "gostar", a coragem de dar o primeiro passo, o fato de que nos dizemos, nem sempre é o que pensamos. Constantemente vemos os dois protagonista tendo reflexões erradas sobre a reação do outro, o que nos entrega cenas engraçadas, mas ao mesmo tempo, bem reflexivas. O único problema de Kaguya-Sama wa Kokurasetai é que a série avança com passos de tartaruga, por isso o mangá ao mesmo tempo que entrega uma boa comédia e uma boa relação entre os personagens, essa relação tem pequenos avanços ou quase nulos, por vários episódios. Por isso, recomendo para quem quiser uma boa comédia, mas não para quem quer ver a resolução desse romance logo.

Primeira Vez

22 - Dungeon Meshi


Dungeon Meshi estreou no ranking no ano passado, e muitas pessoas ficaram realmente curiosas em saber mais sobre o mangá. Esse ano Dungeon Meshi retorna ao TOP 30, praticamente na mesma colocação que no ano passado (foi realmente por pouco que não ficou em vigésimo - mas na revisão do Ranking, decidi diminuir a série em duas posições para dar mais espaço a outras duas séries). A verdade é que Dungeon Meshi não perdeu posições por uma queda de qualidade, o mangá em sí se manteve muito estável e não teve nenhuma piora ou melhora. A comédia continua pontual, os personagens continuam simpáticos, as dungeons divertidíssimas e principalmente as referências continuam ótimas.

Dungeon Meshi, para quem conhece, é um mangá perfeito para os amantes de RPGs como Dungeons & Dragons ou para os jovens que cresceram jogando MMORPGS mais clássicos. Conta a história de um grupo de aventureiros que vão se aventurando em um mundo mágico medieval, tentando ajudar as pessoas que encontram no caminho e ao mesmo tempo provar as melhores comidas que encontram nas Dungeons. Isso mesmo, Dungeon Meshi é um D&D Gourmet, focado principalmente nos monstros (mobs) e nos pratos deliciosos que conseguem fazer com esses pobres monstros. Talvez esse lado mais culinária, muito inusitado para uma história de aventura mágica-medieval que traz um diferencial a série, que para mim, é uma das melhores comédias da atualidade (mesmo que também nos reserve ótimas cenas de ação e reflexões sérias). Dungeon Meshi é uma leitura que recomendo a todos, amantes ou não de RPG.

2016: 21

21 - One Punch-Man


Algumas séries conseguem posições absurdamente altas nos seus primeiros anos, por causa do fator surpresa; apresentam um conteúdo único que deixa todos os leitores surpresos. Após os primeiros anos, esse "hype" vai diminuindo e deste modo a posição da série também vai diminuindo - mesmo com a qualidade da série não dimuinuindo tanto assim -. One Punch-Man chegou a ganhar colocações altíssimas no meu Ranking anual; por exemplo, uma incrível terceira colocação no ano de 2014. Em 2015 a série manteve sua qualidade, mas não era tão surpreendente assim, justamente por causa do fator surpresa ter acabado. E em 2016, com o terrível arco do torneio, OPM quase saiu do TOP 30. Esse ano, em minha opinião, One Punch-Man entregou mais do que o público esperava da série e enrolou muito menos que em comparação ao ano passado.

O grande segredo para One Punch-Man dar certo como mangá, é justamente a tensão que o autor cria para aparição de Saitama e também de alguns outros personagens (sempre estamos curiosos em ver alguns dos heróis de Classe S em ação). O resultado dessa tensão criada pode ser extremamente prevísivel. Sejamos sinceros, se tu esperasse que acontecesse algo de diferente no capítulo 116 da série (como algumas pessoas esperavam), tu ainda não entendeu a narrativa de One Punch-Man. Contudo, somente repetindo uma formula não se chega a sobreviver por todos esses anos. Deste modo, o autor também está criando bons personagens secundários, e se eu tivesse que escolher um que "salvou" o ano de 2017 de OPM foi justamente Garou. O roteiro deu um grande foco em desenvolver o personagem e o resultado acabou sendo a criação de um dos melhores personagens secundários da série.

2017 acabou sendo muito bom para OPM, e para mim, a vigésima primeira colocação define muito bem a qualidade atual da série. Um ótimo mangá, mas não chega estar entre os vinte melhores do mercado atual - digo isso, pois eu realmente queria colocar OPM em uma colocação melhor, mas levando em conta os próximos mangás do Ranking, não pude -, mas mesmo assim OPM merece ser lido, principalmente para quem gosta de uma arte fantástica e ótimas cenas de comédia. Só tem um elemento que realmente me irrita em OPM: o fato do autor continuar NÃO LANÇANDO OS CAPÍTULOS COMPLETOS.

2014: 03
2015: 13
2016: 25

TOP 20


Nenhum comentário:

Postar um comentário

onload='emoticon()'